Eurotrip – Parte II

Cheguei a Londres vindo de Paris em um trem de alta velocidade da Eurostar, no trajeto Paris-Londres, o trem passa por baixo do canal da mancha. A chegada é em St Prancas, apesar de eu gostar de ler a saga Harry Potter, nunca me animei pelos filmes, mas para quem gosta, uma parada obrigatória é a plataforma 9 3/4.

Para pagar os meus gastos na viagem, optei por utilizar o cartão de crédito e um cartão de debito pré pago (para pagar comida, transporte, etc), que me permitia sacar os valores quando precisava. Isso evitou que eu precisasse andar com um valor alto na mochila.

Assim que me situei em Londres fui usar o cartão de débito para comprar os bilhetes de metrô, coloquei-o na maquina e ela o engoliu, fiquei imóvel…

Uma moça que estava próxima, veio e perguntou o que tinha acontecido, expliquei que a máquina tinha engolido o cartão, então ela olhou desesperada nos meus olhos, viramos para a maquina e começamos a apertar todos os botões possíveis, por tempo bastante para passar um filme em minha mente, sobre eu ter que ir pedir ajuda no consulado por não ter dinheiro. Após infindáveis segundos ou minutos, a máquina soltou o cartão, pega-lo novamente, por mais bobo que pareça, foi uma das coisas que mais me deixou feliz na viagem.

Passado o susto, fui ao hostel deixar a mochila, impossível não reparar na arquitetura simples das casas que em minha mente sempre remetiam a filmes e clipes que gosto.

DSC_0507_tonemappedParece que não é nada de mais, mas atravessar as ruas olhando para o lado direito era estranho, por isso acabava sempre olhando para os dois lados várias vezes.

No dia seguinte fui conhecer a parte Real de Londres, desci na Charing Cross e segui em direção ao Palácio de Westminster, casa do Big Ben, que não é a torre (Elisabeth Tower), mas sim o nome do sino dentro dela.

P1060567.RW2_tonemappedDiferente da Torre Eiffel, onde havia muito espaço para contemplar calmamente, a torre ficava em uma rua movimentada e cheia de carros. Segui em direção a Abadia de Westminter, e esse foi um dos momentos que comecei a sentir a falta de uma lente com campo de visão maior (Grande Angular), pois a arquitetura é muito bonita, mas muito grande para caber nas fotos.

P1060442.RW2_tonemappedComo eu estava no meio de uma muvuca/procissão, segui o fluxo, que me levou ao Palácio de Buckingham, onde tem um lindo jardim na frente, com boa parte dos seu espaços ocupados por turistas que esperavam a troca da guarda.

P1060516_tonemapped

P1060505_tonemapped

P1060506_tonemapped

P1060507_tonemappedComo não gosto de lugares cheios, segui em direção ao Green Park, onde tem um jardim de grama baixa e imensas árvores que mesclavam turistas e ingleses tomando sol, como se estivessem em uma praia (mesmo estando nublado), com o som de corvos (que sempre me lembravam filmes).

P1060528_tonemapped

P1060551_tonemappedAproveitei para dar uma volta sem pressa no Green Park e no St. James’s Park Lake, onde eu tirei essa foto que é uma das minhas preferidas da viagem.

12999488_10208936931762905_440121616_oCamden Town, é o bairro mais interessante de Londres, com seu público Punk e Gótico e com lojas e brechós bem interessantes.

DSC_0830_tonemappedO bairro parece respirar cultura, varias bandas e artistas de rua se apresentam nas calçadas, e próximo a Little Venice, estava acontecendo uma feira gastronômica, com especiarias de várias culturas. Poder andar pelas vendas e escolher o que queria comer baseado nos cheiros que sentia foi muito legal.

P1060754_tonemapped

DSC_0832_tonemapped

DSC_0669_tonemapped

P1060778_tonemapped

P1060773_tonemapped

P1060820_tonemappedVoltei algumas vezes a Camden Town para conhecer cada canto, se fosse possível eu passava metade do dia no bairro.

Uma das coisas que mais me surpreenderam em Londres, foram seu museus, consegui visitar 3 em South Kensington, e indico ao menos metade do dia para cada um.

1 – Museu de Ciências (se tivéssemos um desse no Brasil não teríamos uma lacuna tão grande entre boa parte da população e a Ciência que nos rodeia).P10606102 – Museu da Historia Natural (Arquitetura linda com dinossauros em tamanho real, destaque é claro, paro o Diplodoco do Hall do Museu, sem contar as várias replicas de animais).P1060851_tonemapped

P1060860_tonemapped3 – Museu VICTORIA & ALBERT (V&A) (É um museu de arte, história e design. Nada indicado para compradores compulsivos 🙂 ).P1060615_tonemapped

P1060617_tonemapped

P1060635_tonemappedFaltou conhecer o Museu da Guerra Imperial, que infelizmente passava por reformas no período que estive em Londres

Dos vários lugares que visitei lá, não posso deixar de citar a igreja  (o que sobrou dela) Christchurch Greyfriars (tive que pedir ajuda para meu amigo inglês David, pois não me recordava o nome).

A Igreja  foi atingida por uma bomba incendiária na segunda guerra mundial, e hoje, apesar das marcas de um tempo sombrio, tem um jardim tranquilo.P1060716.RW2_tonemapped

P1060715_tonemapped


Coisas que me chamaram atenção:

  • Atravessar a rua era um desafio, olhava sempre para o lado errado.
  • Muitos moradores não são ingleses.
  • Em muitas lanchonetes não havia ingleses trabalhando, o que dificultava um pouco compreender certos sotaques, mas me permitiu experimentar culturas culinárias diferentes.
  • As cabines telefônicas dão um toque especial às paisagens.
  • Todos são muito educados.
  • Os prédios históricos são extremamente conservados.
  • Os museus tem entrada livre, eu contribui na entrada e ganhei um livro (se não me engano nos museus de historia natural e da ciência).

P1060454_tonemapped

DSC_0850_tonemapped

P1060577_tonemapped

P1060683_tonemapped

DSC_0712_tonemapped

P1060663.RW2_tonemapped

P1060793_tonemapped

montagem

3 comments

  1. Sharky diz:

    Usually I actually do not post about blogs, on another hand wish to point out there that this type of publish genuinely pressured myself to acicpmlosh this. Really good post!

Deixe uma resposta